Pílulas do dia a dia: montando um móvel do zero

Ai gente, pensa em um dia em que eu ri, fiquei puta da cara, me frustrei e entendi a importância de não ter medo de pedir ajuda. Mais do que ensinar a fazer, queria contar essa história (mas calma que vou colar aqui o vídeo em que me baseei)

Já vou avisando: FAZ EXATAMENTE O QUE ELA FAZ NO VÍDEO HAHAHA

Por aqui tive que dar uma adaptada nos tamanhos por uma questão de espaço (principalmente de largura). Então ao invés de 80 cm de largura nas prateleiras, a minha ficou com 50 cm de largura, o que já me atende, afinal a ideia era colocar coisinhas de decoração leves e simples. Além disso, também diminui a altura do móvel, respeitando e cortando proporcionalmente os 6cm de diferença entre o pé maior e o pé menor.

Materiais

  • Um cabo de vassoura cortado em 54 cm
  • Duas tábuas de pinus de 1,60 m
  • Duas tábuas de pinus de 1,66 m (percebem os 6cm que falei acima?)
  • Quatro ripas de pinus com 4 cm a mais do que as prateleiras (exemplo: prateleira de 50 cm de largura, considerem 54 cm nas ripas. Faça o cálculo proporcial ao tamanho da sua prateleira 🙂
  • Parafusos 3,5 x 35

Prateleiras

Usei compensado para as prateleiras. Mandei cortar na Leroy Merlin as medidas e eles cobraram proporcional ao que foi cortado (conto no final quanto gastei, ok?)

  • 46 x 50cm
  • 35 x 50cm
  • 27 x 50cm
  • 18 x 50cm

Materiais de apoio

  • Furadeira
  • Parafusadeira (opcional. Dá pra parafusar na mão, só dá mais trabalho)
  • Serra ou maquita (maquita corta em segundos, é top!)
  • Lixa
  • Estilete ou faca (só pra desencapar o cabo de vassoura se tiver plástico)

Queria focar no que deu errado aqui, para que vocês não repitam os mesmos erros caso queiram fazer por aí, ok? Com todos esses materiais cortados e medidos do tamanho certinho, é só seguir o passo a passo do video. Acontece que…

Apesar de ter visto o vídeo um milhão de vezes, era a primeira vez que eu estava montando um móvel, então pra mim a ordem dos fatores não alterava o produto final (é assim que fala, né?). HAHAHAHA engano meu! Primeiro porque coloquei os pés das madeiras invertidos, ou seja, o pé que fica inclinado sempre tem que ir do lado de dentro do móvel, mas colocamos do lado de fora.

Ficamos o dia todo tentando entender o porquê de ter dado errado, pois não conseguíamos pregar as prateleiras nos pés laterais. Depois tivemos que desmontar tudo de remontar dessa forma.

Essa foto abaixo foi antes de invertemos. Reparei que o pé inclinado estava no lado de fora KKKRYING

O pé reto (de trás) sempre na frente do inclinado, pelo amor de Dios!
Luke estava pensando “vai dar merda” e deu hahaha

Outra coisa importante é os 4cm de sobra nas ripas que vão segurar as prateleiras. Isso porque a ideia da DIYCore é colocar ripas no fundo e na frente das prateleiras para apoiar. Se vc segue as medidas certinhas de largura, faz todo o sentido o que ela faz.

No meu caso, não sei o que deu errado, fiquei me questionando se eu realmente medi 54cm nas ripas, porque quando colocamos as ripas de trás na prateleira elas ficaram rentes e não com sobras, ou seja, não tinha essa folga de 4 cm atrás (2 cm de cada lado) HAHAHAHA eu ri de nervoso porque não tínhamos mais madeiras para cortar de novo. No fim das contas tive que pedir ajuda para o meu pai que tem mais experiência com isso e acabamos fixando a própria prateleira ao invés de usarmos ripas de apoio hahaha

Finalmente, quando chegou ao fim ficou assim e o meu sentimento foi: Nunca mais eu invento de fazer um móvel HAHAHA. Ficou lindo, mas percebem os pequenos vãos nas prateleiras de cima? É então…

Eu gosto muito dessas coisinhas manuais, mas olha… dá trabalho viu. Porém, a economia vale muito a pena. As únicas coisas que precisei comprar foram as madeiras. Furadeira, prafusadeira e os parafusos eu já tinha em casa porque meu pai trabalha com essas ferramentas.

As tábuas de pinus custaram R$25,00 e veio muita madeira, viu. Onde fui eles cortam nas medidas e nos dão as sobras.

Na Leroy Merlin a placa de compensado era R$149,90, porém eles também tem um espacinho onde você pode pedir para cortar. Eles cobram por metro quadrado. No fim eu paguei R$70,00 nas prateleiras (arredondando).

Um móvel desse comprado custaria entre R$120,00 e R$150,00, então acho que valeu a pena ter feito, apesar do estresse hahahaha 🙂

Optei por não passar verniz e deixar 100% crua por enquanto. Vamos ver se orna com as coisinhas que eu quero colocar. Se não, é só jogar um verniz por cima e tá tudo certo!

E vocês, já fizeram um móvel por aí?

O poder de um abraço

Tem abraço que é frouxo, que não prende. Tem abraço que prende demais, corta as asas, tira a liberdade. Tem abraço que nem pode ser chamado de abraço.

Ah, meu bem, mas tem abraço que encaixa perfeito. Tem abraço capaz de aliviar o peso de um dia difícil. Tem abraço que só de encostar no peito dá uma vontade de chorar, de aliviar a alma. Tem abraço que aconchega, tem abraço que acalma, tem abraço que esquenta, tem abraço que acalenta.

Quando você me abraça às vezes brinco dizendo não querer, tem abraço que a gente finge que não gosta. No meio da louça suja, na beira do fogão. A gente empurra pra longe querendo manter perto. E quando ele vai, sente saudade.

Abraço, um ato simples. Grátis. Cheio de significado. Coisa necessária. Toque, afeto, amor. Já abraçou hoje?

Eu amo a gente!

Eu amo quando você tá aqui e me abraça rindo

Eu amo quando é de manhã e a gente enrolando mais um pouquinho se abraça e se esconde do sol debaixo das cobertas

Eu amo colocar a mão na sua barriga e sentir sua respiração quando você tá dormindo

Eu amo quando você compra os vinhos que eu gosto

Eu amo quando você pergunta como foi o dia, mesmo que eu só te responda a mesma coisa de sempre

Eu amo quando a gente senta no quintal e toma um solzinho enquanto a Arya sobe na gente pedindo carinho

Eu amo quando, mesmo com a luz apagada e totalmente no escuro a gente conversa sobre as coisas da vida e faz planos, mesmo sem saber quando poderemos realizá-lo$

A real é que dá um frio na barriga pensar em passar tanto tempo com uma pessoa. Conviver com outro universo, outro mundo, outras manias, outras cores, é claro que é um desafio. Mas acontece que a vida não é linear, não importa quanto a gente planeje e queira viver o que planejou. A vida é dedinho na quina no meio do inverno. A vida é pra quem tem coragem de arriscar, de quebrar a cara (novamente, escrevo repetindo isso para mim mesma).

Mas, mesmo sabendo de tudo isso. Eu escolho me entregar, me jogar, tentar e viver nós dois.

Pequenas empresas, grandes artistas: T00dlees

Eu sou do tipo de pessoa que quando coloca uma coisa na cabeça não consegue mais parar de pensar nela. Conheci o trabalho dos meninos da T00dlees e foi amor à primeira vista. Logo percebi que esse bloguinho merecia ter um espaço dedicado a apresentar novos artistas e pequenos empreendedores para vocês. Começando por eles, que super toparam a minha ideia e deram uma entrevista para o blog: T00dlees, por Tily e Gu.

As cerâmicas que eles fazem me fizeram ter vontade de apertar e colocar num potinho de tão fofas. E eu saí gritando aos quatro cantos o quão apaixonada eu fiquei. Imagina só tomar um cafézinho na companhia desses carinhas?

Eu não poderia deixar que esses produtos passassem despercebidos por vocês que me acompanham por aqui. Encomendei algumas xícaras para minha casa e tive que chamá-los para me contarem melhor sua trajetória, como surgiu a T00dlees, como começou, etc.

Vejam abaixo a minha entrevista com o Tily, que foi quem compartilhou um pouquinho comigo 🙂

VF: Conta um pouquinho mais sobre você. Você sempre trabalhou com cerâmica?
Tily: Acabei caindo sem querer na cerâmica, comecei a trabalhar com ela durante a faculdade e por fim virou a minha linguagem favorita. Eu estudei artes visuais na UDESC.

VF: Há quanto tempo a T00dlees existe? 
Tily: A “empresa” T00dlees nasceu de verdade faz menos de um ano, mas as produções já tem uns 4 anos. (É, eu desci até o fim do feed pra conhecer desde o começo hahaha)

VF: De onde veio a inspiração ou ideia para fazer cerâmicas com rostos de trolls e outros animais? 
Tily: Os rostinhos nas xícaras na verdade são uma resposta que encontrei. Originalmente na cerâmica, eu não fazia utilitários e sim esculturas, mas para entrar no comércio achei mais legal trazer os meus personagens em objetos utilitários.

VF: Qual é a sensação de ter um pedacinho de você e da sua arte na casa das pessoas? 
Tily: EU AMO, o que me faz mais apegado a cerâmica é o fato dela durar quase que eternamente! Muito o que a gnt sabe sobre povos antigos é por conta da sua cerâmica! Eu acho divertido pensar que tem várias histórias acontecendo junto da minha arte.

VF: Vocês são de Santa Catarina, certo? Vocês costumam dar aulas de cerâmica em outros estados? Já tem algum período em mente? (pra quando acabar a pandemia, claro).
Tily: As aulas sempre foram algo em segundo plano. Produzir as peças e focar na educação de possíveis novos ceramistas é um trabalho muito exigente, então optamos por manter só a produção. Por enquanto, haha. (aguardo ansiosamente pela oportunidade hehehe)

VF: Qual dica vocês dão para quem quer começar a fazer trabalhos manuais ou até mesmo começar a fazer produtos de cerâmica? 
Tily: Minha dica para quem quer começar é: Comece hahaha, acho que nada melhor que praticar sem parar! Eu não acredito muito em “dom para algo” isso corta todos os anos estudando algo que alguém teve para chegar no resultado que ela obteve, e YouTube consuma todo conteúdo gratuito que você encontrar, hoje em dia existem muitas plataformas para você obter conhecimento e não tirar proveito disso é um erro.

T00dlees não é apenas uma junção aleatória de números e letras. T00dlees é uma torre infinita localizada numa ilha aonde acabam todas as meias perdidas, essa ilha fica em mares-não-mapeados, e nela pequenos seres trabalham para Paula, uma garota de pavio curto.

Aba SOBRE no site da T00dlees.

Para encomendar suas cerâmicas com eles, vocês precisam se atentar aos dias do mês. Eles aceitam encomendas até o dia 15 de cada mês, produzem e enviam no dia 30. Vocês encomendam através do site.

O que eu achei mais legal é que você pode escolher a personalização do rosto da sua xícara. Ela pode usar óculos, mostrar a língua, ter corninhos ou bigode, enfim… tem várias opções.

Sigam a @T00dlees no Instagram.

Me contem se vocês gostaram dessa nova categoria 🙂

Vamos conversar? MINIMALISMO

MINIMALISMO. O que vem à tua cabeça quando falamos sobre isso? Armário cápsula? Viver com o mínimo de coisas? Ter X peças de roupa?

Pois é! Às vezes rotulamos e colocamos muitas regras nas coisas novas que conhecemos e quando decidimos aplicá-las na nossa vida, esquecemos do mais importante: o filtro!

Sei que algumas coisas precisamos definir com uma conversa. “Será que estamos em um relacionamento?”, “em que momento estamos?”. Mas de um modo geral, eu detesto os rótulos. Gosto quando as coisas fluem naturalmente e estamos vivendo sem nos preocupar em nos definir, principalmente quando isso nos limita e dá a liberdade para as pessoas questionarem as nossas mudanças.

A palavra MINIMALISMO poderia facilmente ser substituída por essencialismo, o que faz todo sentido, já que estamos falando em viver com coisas que são essenciais, que gostamos e que nos fazem bem, sabe?

Por isso, nesse primeiro bate-bapo do canal, resolvi trazer essa conversa. Vamos falar sobre isso?